Quando pensamos em custo de frete logo associamos ao ganho ou perda de lucro na entrega dos produtos, é extremamente importante que haja um cálculo correto para não ter erros gerando prejuízos para sua empresa.

Cada vez mais competitivo o segmento de transporte tem tomado uma grande parcela na economia nacional afetando diretamente seus custos de frete e outros segmentos.

Mas como calcular este serviço? Quais sãos esses custos? É adequada para sua operação e carga?

É imprescindível buscarmos essas informações para realizarmos esse cálculo vejamos alguns processos.

Processo de composição da tarifa

Efetivamente escolher a modalidade mais apropriada para seu transporte e observar elementos importantes para a composição da tarifa são cruciais para garantir se o custo do frete está adequado ou não.

Deve-se pensar com cuidado em itens como custos, velocidade de locomoção, segurança no fornecimento do serviço e outros fatores como distancia, peso, dimensões e tipos de carga bem como valores, pedágios, qualidade da via, particularidades de manuseio, Mark-up e demais taxas.

Embora pareça complicado é importante entender e saber calcular para que possa ter uma tarifa adequada sem resultar em prejuízos. A tarifa de frete é acrescida do frete peso, DATs despesas administrativas e terminais, também ad-valorem correspondente ao valor do frete, as GRIS que são taxas de gerenciamento de risco, outros valores como taxas adicionais, impostos e por fim não menos importante o lucro. Vejamos com mais detalhes.

Frete peso

O frete peso tem grande relevância, pois é a soma dos custos fixos, variáveis e lucro. Outro item importante é o peso bruto ou também conhecido como peso cubado, ele define o valor que será pago pelo transporte conforme sua modalidade. Então podemos resumir que o frete peso é o valor cobrado pelo peso da mercadoria e espaço que ela irá ocupar.

Significando os tipos de custos falamos sobre custo fixos mais não expliquei a que se resumem, basicamente são encargos sociais, benefícios dos funcionários envolvidos como o motorista e o ajudante, remuneração mensal, oficina, licenciamento, seguro do equipamento etc.

Falando de custos variáveis como o nome bem diz são itens que podem variar como combustível, pneus, lavagens, peças, acessórios e toda a parte de manutenção entre outros elementos.

Ad-valorem

Como mencionei acima o ad-valorem refere-se ao valor do frete, sua base de cálculo é apoiada no valor da carga, assegura a mercadoria contra riscos de acidentes e avarias e também cobre quando a mercadoria não está em trânsito, vejamos as siglas;

  • GRIS – É a taxa de gerenciamento de risco, é responsável pela segurança é cobrada com a porcentagem do valor da nota fiscal, cobre os custos de fretes inerentes a medidas de combate ao roubo de carga e também sua prevenção.
  • DAT – São despesas indiretas como administrativas e terminais, ou seja, salários de diretores e gerentes, tarifas de serviços públicos, alugueis, manutenções prediais, materiais de escritório entre outros.
  • ICMS – Imposto sobre as operações referente à circulação da mercadoria e engloba prestações de

    serviço de transporte interestadual e intermunicipal.

  • Taxas de Pedágio – São cobradas conforme o trajeto a ser realizado, é amparado pela lei 10.209 de março de 2001 onde determina que o rateio do custo do pedágio no caso de transporte de cargas fracionadas é por conta do embarcador.

Taxas Adicionais

Mais taxas? Sim, esses valores adicionais vêm ganhando espaço e atingindo diretamente o custo total do transporte, essas taxas deveriam estar dentro do frete peso ou no DAT, mas a dificuldade de renegociar tarifas entre embarcadores e transportadores é tangente, basicamente é uma resposta ao aumento dos custos, serviços adicionais que são impostos pelos clientes e etc.

As mais aplicadas são:

  • TDE – Taxa de dificuldade de entrega, é a mais aplicada das entregas urbanas, ela cobre despesas de longas filas, horários reduzidos para recebimento de notas, recebimento fora do horário comercial entre outros.;
  • Taxa de difícil acesso – cobre entregas em lugares de difícil acesso como subidas íngremes, entradas de terras e etc,;
  • TRT – taxa de restrição de trânsito, estas restrições dificultam entregas em centros urbanos, chega a ser 20% do valor do frete original. Ela visa ressarcir o transportador pelos custos adicionais, sempre que a coleta ou entrega for realizada nos municípios que possuem algum tipo de restrição á veículos de carga.
  • Taxa de carga de descarga – visa cobrir a mão de obra feita pelo entregador ao entregar a mercadoria para o cliente.
  • Taxa de agendamento – o cliente pode agendar o dia e hora que estará disponível para receber a mercadoria, essa taxa visa cobrir essas dispensas.

Entre outras muitas outras taxas, cada transportadora busca de acordo com as leis de mercado escolher o melhor método para realizar o custo justo de frete, a oportunidade de redução depende de uma gestão prática e efetiva, busque conhecer e compreender sobre o assunto e de que forma pode ser aplicado sem gerar prejuízos a sua empresa.

E você, têm dificuldades em conferir o preço do frete? Deixe o seu comentário!