Preocupar-se com os níveis de serviço entregues ao consumidor é tarefa de todos em uma empresa que busca se manter no mercado. Neste cenário, a área de logística, responsável por levar o que foi prometido até o cliente final, tem um papel crucial. É fundamental que ela mantenha a coerência entre os valores propostos pela empresa e a percepção do cliente. Neste processo, entra em cena a gestão do ciclo de pedidos.

Administrar o ciclo de pedidos é olhar para a empresa com os olhos do cliente. Estudar esse ciclo analiticamente, buscando formas de diminuir a incerteza sobre a performance, confiabilidade e disponibilidade em cada fase, é cuidar também do relacionamento com o seu cliente e da sua organização interna. Se você tem dúvidas sobre o conceito de ciclo de pedido, ou sobre como ele pode ajudar no aumento das suas vendas e manutenção do seu negócio, continue lendo nosso post!

O que é o ciclo de pedidos?

O ciclo de pedidos representa, em linhas gerais, a sequência de atividades que integram fornecedores e canais em um processo que tem como objetivo entregar valor para o cliente. O ciclo de pedidos pode ser apresentado pelas seguintes fases:

  • Entrada de pedidos: compreende a emissão de pedidos e  seu detalhamento para que sejam transmitidos ao próximo elo.
  • Liberação: agrupa os processos que verificam a compatibilidade das operações realizadas e prometidas com as políticas da empresa e de terceiros.
  • Promessa e disponibilidade: nesta fase é verificada a disponibilidade do produto, bem como a possível necessidade de priorização e estimativa de entrega.
  • Programação de transportes: engloba a composição de cargas, otimização de rotas e os agendamentos acordados com as transportadoras.
  • Expedição: representa o trabalho de preparação final da carga (separação, conferência, emissão dos documentos e, por fim, a expedição propriamente dita).
  • Controle de entregas:  é a fase final, que marca o fechamento do pedido e comprova que os recebimentos foram realizados. Nesta fase também são tratadas as remodelações de possíveis falhas.

A qualidade geral de um ciclo de pedidos é medida a partir de 3 dimensões principais, que levam em conta o serviço esperado pelo cliente e o serviço percebido por ele:

  • Rapidez: é medida a partir pela duração do ciclo de pedidos e representa a eficiência dos serviços logísticos;
  • Confiabilidade: medida a partir do número de variações entre a proposta inicial de entrega e  seu cumprimento para o cliente final;
  • Visibilidade: aponta a facilidade e a agilidade em remediar ou estabilizar possíveis falhas.

Qual é a influência da gestão do ciclo de pedidos sobre as vendas?

Na própria  explicação do ciclo de pedidos, é fácil perceber seu impacto sobre os níveis de serviço oferecidos pela empresa, e, desta forma, é possível também identificar o potencial de diferenciação que oferece.

Assim como os atributos presentes no produto entregue, os serviços agregados influenciam muito na escolha do cliente. E a conveniência é parte importantíssima na avaliação destes diferenciais.

Além disso, a transparência no atendimento e a agilidade no processamento dos dados fazem com que o processo de compra seja uma experiência mais agradável para o cliente, o que aumenta suas chances de repeti-lo  e tornar-se um cliente fiel.

Os softwares de gerenciamento de transporte (TMS) são ótimos aliados na realização destes controles e na aplicação de melhorias, já que possibilitam a análise em tempo real das ocorrências, facilitam o contato com terceiros, auxiliam no planejamento dos custos, no acompanhamento da performance do transportador entre outros. Cabe ao responsável utilizar essas informações na tomada de decisões e em atitudes que impactem no bom desempenho das vendas.

O que você tem feito para melhorar seus níveis de serviço e deixar seu cliente mais satisfeito? Compartilhe conosco as suas experiências ou dúvidas na gestão do ciclo de pedidos comentando neste post.